terça-feira, 18 de setembro de 2018

Dia Europeu sem Carros: Não fiquemos por aqui !

O Município de Vila do Porto, e muito bem, associou-se ao Dia Europeu Sem Carros que está integrado na Semana Europeia da Mobilidade.
Segundo o cartaz que foi divulgado na página oficial da autarquia, o programa das comemorações engloba várias atividades a desenvolver na Rua Teófilo Braga.
Ora, não obstante a relevância desta ou de outra iniciativa semelhante, assalta-me a mente do quao interessante e curioso seria assistir a uma que demonstrasse cabalmente as lacunas existentes em Vila do Porto (e não só) no campo das acessibilidades. É que ao  realizar um rápido exercício mental, facilmente constato que por exemplo, aceder em cadeira de rodas, a vários estabelecimentos comerciais e serviços, é tarefa praticamente impossível.

"Um dia em cadeira de rodas, em Vila do Porto" ?? 

sábado, 8 de setembro de 2018

quinta-feira, 26 de julho de 2018

Festas de Almagreira 2018: PROGRAMA


E porque hoje se celebra o dia dos Avós...................................

Fica a foto da "nossa" avó mariense que, à conta da Câmara Municipal de Vila do Porto, está vetada a um canto qualquer, num armazém qualquer.

No âmbito da visita a SMA: Comunicado do Conselho do Governo Regional dos Açores.



O CONSELHO DE GOVERNO, REUNIU A 24 DE JULHO DE 2018, EM VILA DO PORTO, NA ILHA DE SANTA MARIA e PARA SANTA MARIA, DELIBEROU:

1. Reconhecer o projeto de instalação de uma unidade industrial de grande capacidade de transformação de produtos da pesca, nomeadamente atum, promovido pela empresa ATSM – Atum Tradicional Santa Maria, Lda., como Projeto de Interesse Regional (PIR). 
Este projeto consiste na construção na ilha de Santa Maria de uma unidade industrial de grande capacidade de transformação de diversas espécies de atum e de outros produtos da pesca e da aquicultura para conserva em azeite, outros óleos vegetais, outros molhos, bem como a sua salga e secagem, envolvendo um investimento global de aproximadamente 4,1 milhões de euros, estando também prevista a criação de 31 novos postos de trabalho diretos. (Sem me alargar muito, reconheço apenas a coragem do investimento atendendo à realidade dos últimos anos)
2. Autorizar o lançamento de concurso público para atribuição de duas habitações, em regime de arrendamento com opção de compra, no Loteamento das Lombas II, em Vila do Porto, ilha de Santa Maria.
Este concurso é especialmente dirigido aos agregados familiares jovens marienses que ainda não conseguem obter financiamento junto da banca para adquirir uma habitação própria, permitindo a sua fixação na ilha. (Pudera, muitos deles estão a trabalhar à luz de programas. Para os bancos isso vale ZERO como garantia bancária. Fora isso, é chapa quatro do ponto 14 do comunicado do ano passado sendo que aqui já não entra a SPRIH que é/era uma das empresas regionais tuteladas pelo GRA que respirava uma saúde financeira de meter dó à vizinha do lado)
3. Apoiar a Santa Casa da Misericórdia de Vila do Porto:
Na elaboração do projeto para a reabilitação de um edifício no centro da vila destinado à instalação de um Centro de Atividades de Tempos Livres com capacidade para 60 crianças e jovens;
Num apoio até cerca de 18.500 euros destinado à reparação do pavimento da Estrutura Residencial para Idosos desta instituição. (Resultados estão à vista e portanto está mais do que justificado todo e qualquer apoio. Do meu ponto de vista obviamente) 
4. Autorizar os procedimentos necessários para a elaboração do projeto de várias obras na Escola Básica e Secundária de Santa Maria, com vista à melhoria de condições desta infraestrutura escolar.
Esta intervenção contemplará a substituição de vedações, a correção de infiltrações no ginásio e balneários, a criação de uma ligação entre edifícios que permita a proteção da chuva, a remodelação da cozinha e cantina, a correção de suportes e ampliação da sala de professores.
5. Dar inicio ao processo de análise para a criação de uma área de reserva designada “Santuário de Jamantas” na ilha de Santa Maria.
Com esta iniciativa pretende-se incrementar a proteção da pequena área marinha da Baixa do Ambrósio, reforçando-se essa proteção do meio marinho, das jamantas que lá se encontram e incrementando o repovoamento de bancos de pesca existentes na zona envolvente daquela baixa. (TOP)
6. Autorizar os procedimentos necessários para a aquisição e colocação de sinalização direcional/turística/cultural na Rede Viária Regional da ilha de Santa Maria, com um investimento no valor de cerca de 40 mil euros.
A sua colocação irá reforçar e melhorar a informação de acesso aos principais locais de interesse público, assim como os locais mais significativos e emblemáticos a visitar nesta ilha. (Seja louvado nosso Senhor Jesus Cristo...)
7. Autorizar os procedimentos necessários para a obra de reabilitação do espaço de lazer/merendário da Maia.
Este espaço de lazer confronta com a orla marítima, o que origina a necessidade de uma intervenção para reabilitar o desgaste decorrente da exposição ao mar.
Assim, será executado um muro de proteção à volta da zona de lazer, será reabilitado o pavimento, serão instaladas novas mesas com guarda-sóis e será colocado um ponto de água no local. 
8. Autorizar os procedimentos para a construção de um parque de estacionamento no Miradouro do Espigão. 
Este é o miradouro com merendário mais visitado na ilha, que beneficia de uma vista panorâmica de toda a baia de São Lourenço. (Convém ter presente que as pessoas com mobilidade reduzida ou condicionada também frequentam o Miradouro do Espigão. Se é que me faço entender.......)
Atualmente, o estacionamento é feito à volta do miradouro, ficando o trânsito condicionado.
Este investimento permitirá descongestionar o trânsito e criar melhores condições de acesso e de segurança a este importante ponto de atração turística da ilha de Santa Maria.
Este tipo de investimentos, que melhoram as condições infraestruturais e qualificam a oferta turística dos Açores, assumem especial relevância no âmbito do caminho de crescimento que se tem verificado no setor turístico em toda a Região e, também, na ilha de Santa Maria.
Neste âmbito, recorde-se que o número de unidades hoteleiras desta ilha, nas suas diversas tipologias de alojamento, cresceu na ordem dos 40% nos últimos três anos.
Nos últimos dois anos, o número de dormidas cresceu cerca de 20% e os proveitos cresceram, de 2016 para o ano de 2017, cerca de 34%.
9. Autorizar os procedimentos necessários para a elaboração do projeto para a construção de uma rotunda na zona do Açucareiro, no Aeroporto.
Este investimento permitirá melhorar as condições de segurança e de ordenamento da circulação rodoviária, facto de relevante importância dado tratar-se de uma zona de interceção de quatro vias.
O Governo dos Açores continua, desta forma, empenhado na manutenção e requalificação das vias onde, nos últimos dois anos, já investiu em infraestruturas rodoviárias de Santa Maria mais de 820 mil euros. (Atendendo ao ponto 2 do comunicado do conselho do Governo, reunido em SMA, a 31 de Julho de 2017, suponho que este projeto/construção não implicará o desaparecimento do "Açucareiro")
10. Autorizar a contratação da empreitada de remodelação das redes de águas e incêndios do Centro de Saúde de Vila do Porto, um investimento de cerca de 100 mil euros.
Este investimento é mais um passo na contínua modernização do edifício e na sua adaptação à evolução temporal, garantindo a continuidade da prestação de cuidados de saúde de qualidade e em condições de segurança a todos os utentes. (Muito bem. E fixar Médicos e Enfermeiros? E garantir o regresso/deslocações de especialistas como Gastro ou Otorrino? E ? E ?) 
11. Autorizar os procedimentos necessários para a substituição do atual Grupo Gerador da Unidade de Saúde de Ilha de Santa Maria, num investimento de cerca de 30 mil euros.
Este investimento assegura a atualização e modernização destes equipamentos, garantindo a continuidade da boa prestação de cuidados de saúde à população, em condições de qualidade e segurança. (Muito bem. E fixar Médicos e Enfermeiros? E garantir o regresso/deslocações de especialistas como Gastro ou Otorrino? E ? E ?) 
12. Autorizar os procedimentos necessários para a aquisição de um refrigerador profissional para implementação de uma reserva de sangue na ilha de Santa Maria, que garanta a existência permanente de unidades de sangue a serem utilizadas em casos de emergência.(Muito bem. E fixar Médicos e Enfermeiros? E garantir o regresso/deslocações de especialistas como Gastro ou Otorrino? E ? E ?) 
13. Autorizar o lançamento de concurso para a empreitada da primeira fase da beneficiação do Caminho do Facho, em Vila do Porto, num investimento estimado em cerca de 365 mil euros.
Esta empreitada, que será desenvolvida em três fases, visa a melhoria da rede de drenagem e a pavimentação com massas asfálticas de uma extensão de 4.490 metros de caminho e irá beneficiar cerca de 280 hectares de pastagens, melhorando o acesso dos produtores agrícolas, logo, contribuindo para a melhoria das suas condições de trabalho e para a redução dos custos de exploração.
A primeira fase irá abranger os primeiros 1.200 metros de caminho.
O Caminho do Facho, além da vertente agrícola, tem relevância turística e económica, uma vez que permite o acesso às jazidas de fósseis e a uma zona industrial. (A parte desta intervenção beneficiar também quem por lá mora é só um pequeno detalhe que certamente esqueceu mencionar.......)
14. Dar orientações à IROA, S.A. para prosseguir com o processo de ampliação da rede de armazenamento e distribuição de água na ilha de Santa Maria, em particular na freguesia de Santo Espírito, através da construção de um açude na Ribeira do Aveiro, de um reservatório de 250 m3 e de um ponto de abastecimento, assim como a beneficiação e ampliação do complexo de água existente no lugar do Cardal, através da construção de um reservatório de 250 m3 de água.
Com este investimento, a ilha de Santa Maria passa a dispor de uma capacidade de abastecimento de água de 1.810 m3, o que permitirá aumentar a capacidade de resposta e apoio aos agricultores no seu trabalho diário. (Já agora, dar orientações para repor o betuminoso nas estradas onde, face às inúmeras ruturas no sistema de abastecimento de água à lavoura, a autarquia tem transformado as vias num autêntico queijo suiço....)
15. Proceder à beneficiação de 50 quilómetros de caminhos rurais e florestais, com intervenções ao nível do piso e dos sistemas de drenagem.
O Governo dos Açores continua, assim, o processo de consolidação de infraestruturas de apoio ao desenvolvimento agrícola, cuja atividade económica se mostra cada vez mais importante para a Região e, em especial, para a ilha de Santa Maria. (Os 50km previstos no ponto 9 do comunicado de 31 de Julho de 2017 já foram beneficiados?)
16. Dar orientações à IROA, S.A. para proceder à avaliação sobre as necessidades de água para abastecimento às explorações agrícolas da ilha de Santa Maria e apresentar um plano dos investimentos necessários para os próximos 10 anos. (A avaliação deveria girar em torno de como e quando começar a investir forte na captação de água diminuindo os M3 que se retiram da rede e não só....)
Nos últimos 10 anos, o Governo dos Açores investiu cerca de 900 mil euros em abastecimento de água nesta ilha, o que permitiu aumentar a capacidade de resposta e apoio aos agricultores no seu trabalho diário.
Agora, é importante definir o plano de ação nesta área para a próxima década, tendo em conta a capacidade instalada, a resposta que isso dá à atividade agrícola e quais as necessidades previsíveis no futuro.
17. Apoiar a Associação Agrícola de Santa Maria num montante de cerca de 70 mil euros, designadamente na promoção técnica, científica e económica das explorações agropecuárias.
Este apoio permitirá dinamizar e melhorar o rendimento das ações relacionadas com a atividade agropecuária, contribuindo para o crescimento da produtividade e para a consolidação do processo de modernização do setor nesta ilha.
18. Apoiar a Associação dos Criadores de Ovinos e Caprinos da Ilha de Santa Maria – ARCOA, num montante de cerca de 50 mil euros, designadamente na consolidação e desenvolvimento da produção de leite e queijo de ovelha na ilha de Santa Maria, contribuindo, deste modo, para uma melhor valorização da produção local e, consequentemente, para o rendimento dos ovinocultores.
Esta medida pretende contrariar o declínio no número de ovinos que se registou nas últimas décadas na ilha de Santa Maria e, simultaneamente, insere-se na política de diversificação da produção agrícola e de inovação, contribuindo também para a criação de emprego na ilha.
19. Autorizar a realização de um curso de formação profissional em Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos e em Operadores Autorizados no Âmbito do Controlo Integrado de Roedores com a duração de 35 horas e 20 horas, respetivamente, tendo em vista a habilitação de 36 agricultores Marienses na utilização destes produtos, promovendo boas práticas para a salvaguarda dos próprios, dos consumidores, dos animais e do ambiente que os rodeia. (Esta formação já não é realizada anualmente?)
A formação de Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos permite habilitar os agricultores na aquisição, transporte e aplicação destes produtos e, simultaneamente, a obtenção de conhecimentos para uma utilização segura, reduzindo os riscos para o aplicador, para o ambiente e para o consumidor, contribuindo deste modo para a salvaguarda da saúde pública e para a produção de alimentos de qualidade.
Para o controlo efetivo e duradouro dos roedores é necessária a aplicação de um conjunto de medidas direcionadas não só à praga, mas também ao meio ambiente, o que implica dotar os intervenientes de conhecimentos adequados nesta área.
20. Dar orientações ao IAMA – Instituto de Alimentação e Mercados Agrícolas para desencadear os procedimentos necessários à realização de investimentos na melhoria das condições de funcionamento do Matadouro de Santa Maria, designadamente no cais de descarga, ‘box’ de abate e na aquisição de equipamentos para a linha de abate de bovinos.
O setor da carne assume uma importância cada vez maior no desenvolvimento do setor agrícola na Região.
Estas obras visam melhorar as condições de trabalho, adequar o matadouro às exigências do cliente e o cumprimento com as normas de bem-estar animal.
O setor agrícola continua, assim, a ter grande atenção por parte do Governo dos Açores.
Recorde-se que, nos últimos cinco anos, foram investidos nesta área, em Santa Maria, mais de 15 milhões de euros, designadamente na melhoria de infraestruturas agrárias (eletrificação, água, caminhos rurais), na formação profissional, em apoios diversos à bovinocultura, escoamento e importação de animais, apoios aos ovinos e caprinos, ao transporte de adubos, à instalação de jovens agricultores ou ao gasóleo agrícola.
21. Apoiar a participação dos alunos da Escola Básica e Secundária Bento Rodrigues em todas as fases do programa Parlamento dos Jovens, que se inicia em outubro e culminará com a Sessão Regional, a decorrer na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, na Horta, no primeiro trimestre de 2019. (Ponto 17 do Comunicado de há um ano atrás.......)
22. Apoiar a participação dos alunos e professores da Escola Básica e Secundária Bento Rodrigues na nona edição do projeto ‘Educação Empreendedora: O Caminho do Sucesso!’, que terá início em setembro.
Aos alunos será ministrado um pacote formativo constituído por 10 aulas sobre empreendedorismo e a realização de atividades práticas, como a Feira do Empreendedorismo e o Empreendedor por Um Dia.
Neste âmbito, o Governo dos Açores apoia também a participação das equipas representantes da escola e respetivos professores no Concurso Regional IDEIAAÇORES, no segundo trimestre de 2019. (Ponto 18 do Comunicado de há um ano atrás.......)
23. Apoiar a participação de dois dirigentes por associação de juventude local no Encontro Regional de Associações de Juventude, no ultimo trimestre de 2018, que reunirá todas as associações juvenis da Região, para troca de experiências, partilha de ideias e projetos e desenvolvimento de ações formativas no âmbito da atividade dirigente deste tipo de organizações. (Ponto 19 do Comunicado de há um ano atrás...............)
24. O Conselho de Governo apreciou ainda o andamento de um conjunto de processos e investimentos em curso na ilha de Santa Maria, nomeadamente:
a) A estratégia de dinamização da economia e estimulo à criação de emprego, onde se verifica que, no âmbito do PO Açores 2020, já foram apresentadas 29 candidaturas para investimento privado, que totalizam um valor de investimento previsto de cerca de 5,8 milhões de euros.
b) A obra de construção do Centro de Desenvolvimento e Inovação Empresarial de Santa Maria, atualmente em curso, na fase de preparação do terreno e remoção de entulhos, que se localizará nas antigas Oficinas Gerais da ANA, na zona do Aeroporto de Santa Maria.
Trata-se de um investimento de cerca de dois milhões de euros, com conclusão prevista para o próximo ano. (Espero sinceramente vir a admitir que estava errado relativamente ao que penso sobre este investimento......)
As áreas de atividade da Incubadora da ilha de Santa Maria consistem na criação de um conjunto de funcionalidades com o intuito de fomento do empreendedorismo e dinâmica empresarial, apoiando com espaços e recursos as empresas.
Estão incluídos dois Centros de Incubação, sendo um Centro de Incubação dirigido a escritórios e a serviços, prevendo-se para o efeito até 10 espaços e salas de formação.
O segundo Centro de Incubação, que consiste num Laboratório de Recursos Endógenos, também com 10 espaços, é composto por um FabLab, contendo um laboratório associado de fabricação, que pretenderá democratizar o acesso a invenções pessoais e colaborativas através de tecnologias digitais para criação e inovação, como ainda nas áreas espacial e aeronáutica.
Este Centro de Incubação também albergará espaços para as indústrias criativas, o artesanato ou o sector agroalimentar.
c) As obras de estabilização de taludes na orla costeira, na Maia, em curso, num investimento global de cerca de um milhão de euros. 
Este investimento visa proteger a zona contra o avanço da erosão costeira devido à ação do mar e das águas da chuva, que se tem vindo a observar ao longo dos anos, garantindo-se, desta forma, a segurança de pessoas e bens naquela zona.
d) O projeto referente à reabilitação da antiga Torre do Aeroporto e sua adaptação ao Pólo Museológico do Museu de Santa Maria, num investimento global de mais de 400 mil euros, cujos procedimentos administrativos estão em curso. 
Os pareceres de todas as entidades envolvidas já foram recebidos e está a ser ultimado o protocolo a ser assinado entre o Governo dos Açores e a ANA S.A. (Requalificação da Antiga Torre do Aeroporto: A durar desde 2014....................)
e) O apoio à instalação de uma nova antena no Monte das Flores para diversificação dos serviços da Agência Espacial Europeia - ESA, potenciando a criação de mais postos de trabalho.
Esta iniciativa está em fase de conclusão.
Neste momento, o concurso público para a construção da torre da antena está na fase final e será enviado ao Tribunal de Contas para visto prévio ainda no decorrer do mês de julho.
f) O projeto para a construção de uma Sala de Embalamento e Filetagem no Entreposto Frigorífico de Vila do Porto, em fase de conclusão, onde será criada uma unidade de transformação num espaço independente no interior do Entreposto, incluída no projeto de requalificação e modernização desta infraestrutura. 
g) O projeto, já adjudicado, das novas instalações de apoio aos iatistas na Marina de Vila do Porto, que melhora significativamente as condições de apoio dos utilizadores daquela infraestrutura.

O Conselho de Governo deliberou ainda:
25. Requerer ao Governo da República a desafetação do domínio público aeroportuário do Estado, com a consequente integração automática no património regional, de uma área de aproximadamente 41 hectares de terreno, situado na zona do Aeroporto de Santa Maria.
Esta área não foi abrangida na última transferência de património efetuado através do Decreto-Lei n.º 66/2013, de 17 de maio, que procedeu a uma vasta desafetação de bens do domínio público aeroportuário do Estado nesta ilha, não obstante a Região ter, há muito, assumido a gestão desta área.
Assim, procede-se à desafetação daqueles bens do domínio público aeroportuário do Estado na área designada como uma área suplementar de zona franca, operando-se a sua transferência para o património regional em consequência dessa desafetação, cabendo à Região Autónoma dos Açores dar-lhes o destino que melhor servir o interesse regional, em geral, e da ilha de Santa Maria, em particular.

GaCS/GRA
Vila do Porto, 25 de Julho de 2018

terça-feira, 24 de julho de 2018

[Editado] Ao cuidado da Direção Regional do Ambiente e do Mar (outra vez).....




A Piscina natural de São Lourenço e o motivo que leva à sua interdição para limpeza regular. ...... !!
*****



Relativamente a esta simples, mas aparente, incômoda publicação, recebi o email que abaixo transcrevo, ao qual tive a amabilidade de responder transmitindo a interpretação que fiz à mesma.


Boa tarde Marco, l

Relativamente  ao teu "post" acerca da zona balnear  supracitada, gostava de fazer algumas correções:
i) A Secretaria Regional do Ambiente e do Mar já não existe, como poderás  verificar na consulta à lei orgânica do XII Governo Regional dos Açores (DRR 9/2016/A);
ii) As matérias relativas ao mar, nos Açores, são  atualmente da competência  da Secretaria  Regional do Mar Ciência  e Tecnologia,  nomeadamente, da Direção Regional  dos Assuntos  do Mar;
iii) A gestão em 2018  da supracitada zona balnear está  protocolada  com a Junta de Freguesia  de Santa Bárbara, sendo desta entidade a responsabilidade da garantia da salubridade da zona;
iv) Por último  a entidade que tutela as  matérias relativas ao ambiente nos Açores tem o acrônimo SREAT, Secretaria  Regional da Energia, Ambiente e Turismo.

Informar  é  um dever, informar com rigor é  uma obrigação ética.


*****

Boa tarde, 

Em suma e designações à parte, então o problema da piscina que não é novo e muito menos surgiu durante a gestão da Junta de Freguesia de Santa Bárbara, era (mas agora que existe protocolo já não é) da responsabilidade da Direção Regional dos Assuntos do Mar. Estou esclarecido.

Obrigado
Marco

domingo, 15 de julho de 2018

Era um pouco mais ao lado Sr. Presidente da Junta !!!


Bem sabemos que estacionar em cima do passeio é ilegal no entanto, também não podemos esconder que o fazemos em determinadas alturas do ano, principalmente nos meses em que a nossa ilha é mais procurada e até a quando da realização das Festas 15 de Agosto. 
Nas últimas semanas, e muito bem, a junta de freguesia de Vila do Porto adquiriu várias floreiras e tem-nas distribuído em vários locais. A primeira tentativa, junto à Caixa Geral de Depósitos, parece não ter sido a mais feliz mas saúda-se a recolocação o que demonstra a assunção do erro de casting que "comeu" três lugares de estacionamento. 
Junto aos parques de estacionamento do Solmar e lojas da Associação Salvaterra, estão mais umas quantas e aqui, reforçando uma vez mais o conhecimento do código de estrada, não seria considerada uma má opção o seu reposicionamento. O motivo. Este é facilmente perceptível.  

O nosso (mariense) interesse.......será o mesmo de todos ??

Parece mentira mas não é. Nos últimos anos, as zonas balneares de São Lourenço e Maia, ambas sob a responsabilidade e gestão do Governo Regional dos Açores (Ambiente e Mar), tem padecido de tudo menos de uma época balnear, diria, normal, tranquila e saudável. 
É sabido que o nosso turismo anda pelas ruas da amargura com os mais baixos valores dos Açores, sendo que a nossa "salvação" continuam a ser os dois mesitos de Verão e pouco mais. Por mais que nos custe admitir, este é um facto indesmentível.

Contudo até mesmo neste curto período, as entidades e/ou departamentos responsáveis parecem deter apenas uma altíssima capacidade de remar no sentido contrário ao interesse dos marienses em particular ou de quem escolhe estas duas magníficas baías como destino para as suas férias. Fica a dúvida porém, se propositadamente ou por simples incompetência.

A Baía da Maia, reforço, lugar lindíssimo e aprazível, parece ter sido este ano a zona balnear preferencial para colocar em prática como que um plano maquiavélico que viabilizasse tudo menos a paz, tranquilidade e segurança que se exige durante qualquer época alta numa zona balnear.   
Primeiro, o agendamento do início de uma obra pouco tempo antes da realização do Festival Maia Folk, portanto, a semana mais movimentada naquela baía. Algo que - felizmente - não veio a acontecer alegadamente devido à falta de licenciamento da obra. Caricato, no mínimo. Obras do Governo Regional dos Açores (GRA) suspensas por falta de licenciamento.

Em Março, o GRA procede a uma alteração de lei que permite o início antecipado da época balnear em quatro baías sob a sua responsabilidade.
Para a Maia e São Lourenço é anunciada a data de 1 de Junho e a "malta" bateu palmas ficando, literalmente, em êxtase.

O que nos diz a realidade:

- A época balnear abriu oficialmente APENAS no dia 2 de Julho. Um mês e um dia mais tarde do que fora previamente anunciado;

- Sem que tenha sido realizada qualquer cerimônia para o efeito, julga-se que o galardão ambiental foi uma vez mais atribuído pois a bandeira azul lá está hasteada;

- No dia 14 de Julho, APENAS 12 dias após a abertura oficial da época balnear, a Piscina é interdita pela autoridade marítima por falta de condições de segurança para os banhistas.


O encerramento da Piscina da Maia foi motivado pela queda de parte do varandim que deixou sem proteção alguma áreas contundentes. Havia ainda o risco do mar provocar a projeção da parte restante sobre os banhistas. 
Esta falta de manutenção foi a causa principal para o sucedido no entanto, o alerta foi dado em tempo devido e a quem de direito. MAS parece ter sido mais fácil ignorar os habitantes e frequentadores habituais do que proceder em conformidade. 

Perante tamanho desinteresse, desleixo, falta de sensibilidade e competência, o que devemos nós, marienses, pensar?
Foto: DR

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Considerado pela Momondo: A Praia Formosa entre as 9 melhores do país


A Momondo, um motor de busca internacional que pesquisa milhares de sites de agências de viagens e companhias aéreas e compara milhões de preços para voos, hotéis e carros de aluguer, classifica a Praia Formosa, na ilha de Santa Maria, como uma das melhores entre 9 escolhidas em Portugal.
Aquele site internacional diz que a Praia Formosa é amplamente reconhecida como uma das melhores praias a nível internacional e uma das mais procuradas pelos turistas que visitam Portugal. “Com uma paisagem de cortar a respiração, integra uma baía onde é possível desfrutar de uma série de serviços, como restaurantes, bares e lugares de animação noturna. Esta praia recebe também, anualmente, o festival Maré de Agosto, que traz importantes bandas do universo pop e rock internacional a um dos cenários naturais mais belos do país”, escreve a Momondo.
As restantes praias portuguesas eleitas pela Momondo são a Praia do Moledo (Caminha), Praia de S. Jacinto (Aveiro), Praia de S. Martinho do Porto (Alcobaça), Praia dos Galpinhos (Setúbal), Praia do Guincho (Cascais), Praia de Odeceixe (Aljezur), Praia da Falésia-Olhos de Água (Algarve) e Praia de Porto Santo (Madeira).
A Praia Formosa localiza-se na freguesia da Almagreira, concelho da Vila do Porto.
É uma praia que possui um areal com cerca de um quilómetro de extensão, águas límpidas e mornas, e areias claras, devido à presença de partículas calcárias, o que a torna uma das zonas balneares mais apetecidas do arquipélago.
Margeia o vale da Ribeira da Praia, sendo o conjunto emoldurado por altas encostas, e que pode ser devidamente apreciado a partir do Miradouro da Macela, no seu extremo ocidental. Não obstante os valores naturais terrestres, nomeadamente os geomorfológicos, a riqueza subjacente à sua classificação como Reserva Natural reside na sua área marinha.
Notícia publicada no Jornal Diário dos Açores na edição de 10 de Julho de 2018

quinta-feira, 5 de julho de 2018

Baía de São Lourenço: Ainda sobre a petição "A favor da adaptação dos acessos para pessoas com mobilidade reduzida ou condicionada"


Video contendo apenas as intervenções dos Deputados de Santa Maria 

No início de Maio, no âmbito da petição “A favor da adaptação dos acessos à piscina e praias vigiadas de São Lourenço a pessoas com mobilidade reduzida ou condicionada”, fui ouvido (e questionado) na Comissão Permanente de Politica Geral. A audição decorreu em Santa Maria e tal como à data referi, salvo uma afirmação que podia e deveria ter sido evitada por parte de um dos deputados do Partido Socialista, acho que a mesma decorreu dentro do expectável.
Na referida reunião, fui também informado que antes do assunto subir a plenário, seriam ainda ouvidos o presidente da Câmara Municipal de Vila do Porto e o Senhor Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia.
No passado dia 14 de Junho, o assunto subiu a plenário e gerou a discussão que se esperava. Isto é, entre o tentar levar a água ao seu moinho (politicamente) e o da defesa da causa, todas as bancadas partilharam da preocupação e necessidade urgente de ser encontrada uma solução.
Agora, recebi há uns dias, por correio, toda a documentação relativa ao processo onde se inclui o LINK para o video (completo) do debate que ocorreu na Assembleia Legislativa Regional dos Açores.

Tive o cuidado de ler a documentação e a preocupação de ouvir a intervenção dos nossos legítimos representantes da casa da democracia dos Açores. E relativamente à intervenção do deputado do Partido Socialista não posso deixar de não fazer um reparo. Valá, dois ou até mesmo três. 

O primeiro é sobre a data que diz ter sido a da compra, por parte do Governo Regional dos Açores, de uma cadeira escaladora. Segundo este, a mesma foi adquirida em 2014 e a operação de transporte levava 10 minutos.
Certamente um engano fortuito pois eu, a quando da publicação DESTE post tirei uma foto ao referido equipamento que até já estava disponível no verão de 2013. 

A segunda nota prende-se com o tempo da operação e a funcionalidade do equipamento.
Quanto à demora da operação, independentemente de levar mais minuto, menos minuto, estamos de acordo. Já no que respeita à funcionalidade do equipamento, continua a não haver a humildade suficiente de admitir que este NUNCA foi funcional devido à sua própria limitação. Ou seja, é uma cadeira escaladora que está preparada para transportar apenas as cadeiras de rodas convencionais.

Por último, é referida a cedência de uma cadeira por parte da SATA "que permite a todas as pessoas, sem cadeira de rodas,o acesso ao local". No entanto, por mero esquecimento certamente, faltou referir, que para este acesso ser concretizado são necessárias duas pessoas para pegar na referida cadeira e efetuar o transporte. Aliás, tal e qual é comum observar em alguns dos aeroportos açorianos. E esta derradeira nota leva a que termine com um assunto que pode parecer menos relevante mas não o é.

- Quem tem a responsabilidade para efetuar a operação de transportes de pessoas? Funcionários do Bar? Nadadores Salvadores? 

- A falta de utilização dos equipamentos resulta/resultava, em parte, da recusa (no meu entender e bem) dos concessionários do bar da piscina de São Lourenço em manusear o equipamento e ou efetuar o transporte de pessoas até à piscina ou areal.

- Mas caso o fizessem, sobre quem recairia a responsabilidade em caso de acidente? Estas pessoas estão devidamente habilitadas, credenciadas para efetuar este tipo de operação e asseguradas em caso de acidente? 



Enquanto o povo espera (e desespera), sigamos então para mais estudos..................

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Estrada dos Anjos: Finalmente o piso foi retificado.



Está reposta a normalidade no que à circulação diz respeito na estrada dos Anjos. O IROA finalmente assumiu a sua responsabilidade.  

sábado, 26 de maio de 2018

Baía de São Lourenço e Estrada dos Anjos: Vítimas da inércia e da intransigência.



Baía de São Lourenço
Requalificação concluída em 2013.
Quase 6 Milhões de Euros Investidos (e ainda bem)
Nem todos foram contemplados....

Desde 2013 o que dizem?
Não está esquecido......
Estamos a trabalhar no assunto.....
Não é fácil arranjar uma solução......
ou ainda, a afirmação mais recente de todas: "nem todas as praias dos Açores podem ser acessíveis a todos"

Verão de 2018: TUDO NA MESMA. 

Para quem não sabe, a zona balnear dos Anjos é a única que está reconhecida oficialmente como "praia acessível para todos"
Mas para chegar e sair de lá também não é tarefa fácil atendendo ao estado degradante em que se encontra a estrada e porquê?
Devido à fantástica obra de engenharia, se assim lhe posso chamar, que foi o sistema de abastecimento de água à lavoura.
Agora, é o jogo do empurra entre dois organismos que não respiram saúde financeira e quem se lixa é SANTA MARIA.