terça-feira, 3 de março de 2015

A propósito do Plano Estratégico de Desenvolvimento da Praia da Vitória IV: Assembleia Municipal aprova por unanimidade voto de protesto.



A Assembleia Municipal de Vila do Porto aprovou por unanimidade um voto de protesto pela "alteração de posição do Governo Regional dos Açores em relação ás escalas técnicas de aeronaves no arquipélago.
O voto apresentado pela bancada do PSD considera que o Plano de Revitalização da Ilha Terceira altera aquilo que sempre foi afirmado pelas autoridades regionais em relação a Santa Maria, de ser uma ilha de referência para as escalas técnicas.

Os deputados municipais do PSD, PS e CDU propõem mesmo a eliminação de alguns eixos constantes no PREIT.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Meloa de Santa Maria passa a ser produto de Indicação Geográfica Protegida.

Atlânticoline: Santa Maria contemplada com (ainda) menos toques do que em 2014.

Se dúvidas houvesse, basta analisar o horário. 

Toques por ano: 
2006 (67)
2007 (66)
2008 (82)
2012 (60)
2013 (53)
2014 (40)
2015 (36)

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

A propósito do Plano Estratégico de Desenvolvimento da Praia da Vitória II: Depois da casa roubada de nada valem as trancas na porta.


Já tinha passado os olhos pelo famigerado plano que, não é mais do que uma estratégia do Governo Regional dos Açores para dar a mão aos nossos conterrâneos da Praia da Vitória face ao anúncio da retirada dos americanos da Base das Lajes.
Que o GRA queira e tenha intenção de minimizar os efeitos desta retirada tudo bem. Agora quando algumas das medidas implicam, no meu ponto de vista, utilizar a outra mão para retirar o pouco que já temos, ai já não posso concordar. Nem com isso nem com a passividade que, de uma forma geral (há exceções), patenteia as nossas entidades, associações e representantes na Assembleia Legislativa dos Açores. O tempo urge e Santa Maria tem OBRIGATORIAMENTE que falar a uma só voz.
Do documento, para que possam perceber o porquê da minha indignação, transcrevi alguns pontos que falam por si.

                Medidas a executar diretamente pelo Governo da República            
  
EIXO 4 - ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA BASE DAS LAJES E REFORÇO DAS CONDIÇÕES DE ATRATIBILIDADE PARA A AVIAÇÃO CIVIL E INVESTIMENTO PRIVADO

Objetivo: Alterar o estatuto militar da Base das Lajes, áreas militares e de servidão, para potenciar a capacidade de atração da infraestrutura para Base de aviação civil ou outros investimentos privados
  
Programas e medidas:
 - Desafetar o uso militar das instalações, infraestruturas e terrenos para utilização civil e reorganização espacial dos mesmos;
- Reforçar os efetivos militares na Base Aérea n.º 4 e instalar Força Naval no Porto utilizado pelos norte-americanos, tendo em vista instalar na Ilha Terceira o Centro de Apoio a todas as operações destinadas a efetivar e garantir os direitos de Portugal sobre a Plataforma Continental Portuguesa, após o processo de extensão da mesma;
- Plano de redução dos constrangimentos operacionais e flexibilização para a utilização do Aeroporto das Lajes para atividades civis, com impacto positivo na economia da ilha.
- Financiamento da expansão da placa de estacionamento de aeronaves da Aerogare Civil das Lajes;
- Financiamento do Terminal de Carga Aérea do Aeroporto das Lajes;
- Revogar o Despacho Nº59/2013, de 20 de dezembro, do Chefe do Estado Maior da Força Aérea e todos os impedimentos militares à utilização da Aerogare Civil das Lajes.

                   Medidas a adotar pelo Governo dos Açores                      

EIXO 5 - PROGRAMA DE REDUÇÃO E ISENÇÃO DE TAXAS E CUSTOS DE LICENCIAMENTO PARA INVESTIMENTOS E ATIVIDADES ECONÓMICAS NA ILHA TERCEIRA

Redução em 50% das Taxas Aeroportuárias da Aerogare Civil da Lajes previstas na Portaria n.º 82/2006 de 9 de Novembro, nos próximos 6 anos.

taxas de tráfego
taxas de assistência em escala
taxas de ocupação

EIXO 8 – COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA

- Criar um Pacote de Incentivos de Atração de Escalas Técnicas, garantindo as condições necessárias para a competitividade da Base das Lajes para as escalas técnicas internacionais, cujos incentivos devem ter associada uma maior intensidade nos primeiros anos.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

1, 2.... 1, 2... Som !!???

Como habitualmente acontece pela época carnavalesca, as danças desceram a Vila de Porto. Presentearam o público presente com o seu trabalho, dedicação e empenho. Foi o culminar de uma preparação que começa com alguma antecedência e que contrariamente ao que se possa julgar, não é feita "do pé para a mão". A crítica não foi esquecida. Faz parte e pese embora a velha máxima do "é Carnaval, ninguém leva a mal", algumas delas não deveriam cair em saco roto e ainda há as que não foram feitas e cairiam que nem uma luva como seja a incapacidade, inércia, falta de vontade (chamem-lhe o que quiserem) em criar condições para que os intervenientes se façam ouvir sem estar, literalmente, aos gritos. Será necessário um projecto de engenharia para conseguir aproximar uns microfones das danças? Julgo que não mas é mais fácil e cómodo pedir às pessoas que façam silêncio de modo a que consigam ouvir........ !!! Enfim...... 

PS: A mudança de local para actuação das danças, na minha opinião, também não seria descabido desde que se aliasse as necessidades ao útil e ao agradável.
Foto: JB

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Desfile de Carnaval 2015: Como se não bastasse a fraca adesão do Secundário.......

Não é novidade o facto do desfile de Carnaval em Santa Maria ter vindo a perder fulgor durante os últimos anos. Longe vão os tempos em que, principalmente, a malta (professores e alunos) do secundário agarrava com unhas e dentes os temas da actualidade para endereçar uma critica. A animação pela principal rua de Vila do Porto era outra das imagens de marca pois a pró actividade dos participantes aliada à colaboração prestada pelo município em dotar grande parte do trajecto com equipamento de som, faziam com que se pudesse desfrutar do verdadeiro ambiente carnavalesco.
Hoje tudo mudou e por mais esperança que se tenha, no ano seguinte é o mesmo cenário. O desfile que durante a manhã de hoje percorreu Vila do Porto é prova disso mesmo. Parece não haver capacidade de voltar a incutir na classe estudantil, o gosto em participar na festa. Há inclusive quem defenda que a participação deveria ser obrigatória. Dito assim até parece fácil mas acho que o caminho não deverá ser esse.
E como se não bastasse a fraca aderência ao nível de participantes, a pouca imaginação no que aos temas diz respeito ainda houve o fraco contributo do município no que toca ao som na rua. 
Em suma, TODOS podem e devem fazer um pouco mais !!!   

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

A propósito do Plano Estratégico de Desenvolvimento da Praia da Vitória: A SOLIDARIEDADE AÇORIANA



Nestes dias conturbados em que muito se fala da ilha Terceira e do duro golpe na sua economia que a redução do contingente norte americano da Base das Lajes representa, dei por mim a remexer na memória e a analisar o tipo de solidariedade açoriana que temos. Ou seja, que tipo de solidariedade existia quando Santa Maria passou por experiências iguais ou muito parecidas. 

Quando os americanos iniciaram a construção do aeroporto, utilizou muita da mão-de-obra que estava ligada à nossa agricultura de subsistência. Com empregos bem pagos, cedo os marienses se habituaram a um estilo de vida com melhores recursos e mais dignidade. Porém, quando a construção acabou, e os americanos se foram embora, aconteceu uma “tragédia” na ilha. As terras tinham sido abandonadas e o regresso às origens era impensável. Num tempo em que a palavra “solidariedade” ainda não tinha sido averbada nos dicionários, só restava à população a emigração para os Estados Unidos. A ilha levou uma enorme machadada na sua população.
Novo ciclo se iniciou. O aeroporto civil internacional permitiu criar muitos empregos, na sua maioria ocupados por pessoal mais especializado (?) que veio do continente. E assim a qualidade de vida se foi mantendo. Santa Maria continuava a ser uma “little américa”. O sonho de muita gente era viver na zona residencial do aeroporto, tal a diferença na qualidade de vida entre essa zona e a restante ilha.
Mas chegou a era dos aviões a jato. O porta-aviões do Atlântico perdeu a sua importância. A população tornou a recorrer à emigração, porque a SOLIDARIEDADE não veio em seu auxílio.
Mais recentemente, quando o governo regional redefiniu a política aérea, retirando a Santa Maria a condição de “placa giratória dos Açores”, que foi repartida entre S. Miguel e Terceira, como se de despojos de guerra se tratasse, também não se falou de solidariedade. Criou-se uma “alternativa” (?) para enganar papalvos. Uma zona franca - que era fraca - e industrial – mas que não tinha indústria – e que serviu para criar alguns “tachos” e como instrumento para fugas ao fisco por parte das empresas que estavam, só fiscalmente, ali sediadas. 
Essa política aérea, embora compreensível sob diversos pontos de vista, tornou a originar o abandono da ilha por grande parte da população. Os últimos dados demográficos indicam que a população de Santa Maria seja, hoje em dia, pouco superior a um terço da dos seus tempos áureos.

CONCLUINDO.
Fico muito satisfeito quando se fala de SOLIDARIEDADE AÇORIANA para resolver o grave problema de desemprego que vai acontecer na Terceira. E agrada-me imenso que o governo esteja empenhado em resolver o assunto. Mas não posso concordar que, sob a capa da solidariedade, se venha retirar ao aeroporto de Santa Maria e a entregar à Terceira uma das poucas valências que lhe restou: AS ESCALAS TÉCNICAS.

Para relembrar:
Texto: Rosélio Reis (Empresário Mariense)
Foto: LPAZ/SMA

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Atlânticoline: O que nos sairá na rifa este ano?

Tenho sido abordada por alguns amigos que, ou já compraram passagens aéreas a preços apelativos para virem aos Açores, São Miguel, ou querem comprar. Alguns estão à espera de saber os horários dos Ferries que fazem as ligações entre as Ilhas para poderem jogar com os transportes todos e visitarem mais do que uma ilha. Ora, dos horários da Atlanticoline nem rasto...No site diz que estão a tratar disso, mas “nem chove nem faz sol” e a malta perde a paciência e compra passagens aéreas para outros destinos.
Ora, se a Atlanticoline é uma empresa contratada pelo o Governo Regional, Secretaria da Economia, para explorar as rotas marítimas inter-ilhas porque será que não há uma coordenação entre as secretarias do MESMO Governo para que as coisas sejam tratadas atempadamente de forma as ilhas da Coesão beneficiem de alguma forma dos preços das Low Cost e das promoções da SATA? Estão à espera de quê? Será que é assim, a passo de lesma na publicação dos horários, que se promove o turismo e a coesão? Ao que sei, até este momento, a Câmara Municipal de Vila do Porto ou qualquer outra entidade envolvida nestes assuntos foi consultada nem lhes apresentaram um horário a ser analisado segundo os interesses dos marienses. Tal desgoverno!
Texto: Ana Loura
Foto: Blog Porto da Graciosa

Nadador Salvador: Curso de Formação

O Município de Vila do Porto informa que, encontram-se abertas as inscrições para o Curso de Formação de Nadadores salvadores, pelo que, os interessados deverão consultar o cartaz em anexo a fim de obter informação sobre as condições de admissão e inscrição, cujo prazo termina a 20 de fevereiro.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

MANUTENÇÃO! Neste caso a falta dela........



Segundo informação divulgada hoje na Rádio Atlântida, a Portos dos Açores, S.A. acaba de adjudicar três empreitadas para realização de investimentos em infraestruturas portuárias das ilhas São Jorge e Terceira pelo valor global de € 19.018.400,01 (dezanove milhões, dezoito mil, quatrocentos euros e um cêntimo), mais IVA à taxa legal em vigor. 
Desde que necessárias, não sou contra a criação de novas infraestruturas. Pelo contrário, sou a favor que as construam, que melhorem e MANTENHAM as existentes como é o caso particular de Santa Maria...... !!  

PS: Apesar de não ter sido anunciado ainda, soube à posteriori que estará em carteira uma remodelação na gare em Santa Maria onde pode estar incluída a substituição da cobertura, construção de uma nova sala para passageiros e instalação de passadeiras para bagagem/carga.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Exemplo a seguir um pouco por toda a Ilha.

Encosta da estrada de acesso ao Porto de Vila do Porto, lado norte. Depois de uma intervenção na zona da Ribeira agora a encosta mais alta também está sendo alvo de uma intervenção humana. Está irreconhecível a barreira. Um excelente trabalho dos colaboradores da Junta de Freguesia de Vila do Porto.
Texto/Foto: Paulo Chaves

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

É Carnaval quase ninguém leva a mal

Adivinhem lá...


Nesta freguesia bela
há muito por fazer...
Ribeira nem vê-la
Que as canas estão a beber!




Seja de noite ou de dia
Olho bem arregalado
Que a corda ficou vazia
E o bolso mais recheado

Ele é cuecas de senhora
Ele é carne de império
Vai se tudo embora
Num grande mistério


sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Santa Bárbara: gota a gota

Publiquei há semanas um pequeno artigo onde apresentava algumas ideias para melhorar a minha freguesia, mais propriamente o lugar onde vivo, curiosamente, um lugar frequentado por muitos turistas, graças ao ponto de partida de maravilhosos trilhos. Bem, as coisas continuam quase na mesma. Parece que é mesmo muito complicado mudar uma torneira. Gota a gota... num minuto perdem-se 40 ml de água. Sim, dei-me ao trabalho de medir. Num dia são cerca de 57 litros. Só neste mês já se foram mais de 1500 litros de água. Mas aquilo está a verter há meses... e a Junta de Freguesia sabe disso. Mas com isto não estou a denunciar qualquer incompetência, não. Estou apenas a fazer o meu papel de cidadão, como ontem, quando dei conta que havia uma fuga de água no interior da Escola Primária (ouvia-se através de uma janela) e comuniquei aos serviços competentes. Não me parece que na Câmara Municipal alguém vá ficar aborrecido comigo por tê-lo feito.

Descobri, também, uma caixa, junto do Parque Infantil onde está esta bendita torneira, que diz "ÁGUAS", será que bastava abrir a caixa e ir lá desligar o passador? Não sei.

Entretanto, felicito a PT por ter mais ou menos terminado o trabalho de arranjo de instalação do telefone público. Felicito, também, quem quer que tenha sido a remover a vedação que ameaçava cair no parque de jogos. Mas ainda há coisas para fazer, se quisermos ir a tempo de não perder património. Lá diz o ditado, gota a gota tanto bate até que fura. 







terça-feira, 20 de janeiro de 2015

E porque não juntar o útil ao agradável ?



A Secretaria Regional da Ciência e Tecnologia está por estes dias, a plantar palmeiras naquela que é a principal via de ligação ao Aeroporto de Santa Maria. No meu modesto entender e uma vez que está mais do que provada a utilização desta via por parte da população para caminhadas (e não só), faria todo o sentido equacionar também a construção de passeios, pelo menos, num dos lados da estrada. 

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Acesso ao Forte S. Brás: Constatações e reparos.

6 de Dezembro de 2014

13 de Janeiro de 2015

"Errar é humano, assumir o erro é ter carácter" 
Uma verdade inquestionável MAS.......


Afinal é assim que a "coisa" funciona... !!